Poema: Agridoce - Priscila Goes

Da árvore, sou galho e raiz
Do jardim, sou passarinho e flor de Liz
Caminho sem rumo
História de perder o prumo
E algumas de era uma vez

Sou poema, fruto da rosa
Ora Agridoce e dengosa
Às vezes sou espinho
De cor Escarlate feito vinho
Luz, breu e timidez

Ele é sorriso de canto
Manhã de sol, puro encanto
Em devaneios, extrai beleza
Da letra, produz estrela
Em noites de luar

Por vez, seu sabor é ácido 
Feito terra de solo árido
Outrora, é rima, poesia
E Mar calmo em travessia
Só há ternura em seu olhar



By: Priscila Goes


Nenhum comentário:

Postar um comentário


© BOLG DA MARY - 2015-2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: MARY DESGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo