Maria isabel & Soraia - Nara Tosta


Mulheres em cena

ISBN-13: 9788592320928
ISBN-10: 8592320925
Ano: 2017 / Páginas: 176
Idioma: português
Editora: Bambual
Sinopse
"Luiz Henrique parecia ouvir as lamúrias de Maria Isabel. Acordou, sorriu e a puxou para abraçá-la e beijá-la. Ficaram juntinhos sem nada dizer. Ela deixou as lágrimas rolarem, e ele, claro, não percebeu. Como mulher, deseja dizer tudo que guardava em seu coração, mas não teve coragem de expor seus sentimentos e se calou."
Não se destrua, Soraia! Você não merece isso!, pensou ela, deixando a força de sua mente se manifestar, olhando fixamente para sua imagem no espelho. Se não ficaram juntos, é por que não era o destino. Tem que encarar essa verdade!"

Resenha


“Todos temos que lidar com perdas: perda de um emprego, perda do amor, perda da vida. A questão não é se essas coisas vão acontecer. Elas vão, e precisamos encará-los. A resiliência vem do âmago, de dentro, e de apoio que recebemos de fora… vem da análise de como processamos [...]”
Adam Grant, psicólogo em depoimento para revista Vida Simples

A edição de Abril de 2018 traz como capa o tema “Coragem para recomeçar” com muitos depoimentos de pesquisadores e suas filosofias de encarar a vida e seus desafios. A matéria reforça muito na questão MUDAR (ou RECOMEÇAR), alertando que ter essa atitude não é zerar, renascer; é seguir em frente, seguindo sendo o que somos, com nossos aprendizados, erros e acertos. E como seguir em frente após um erro ou uma dor?

Assim, começo indicando a leitura dessa matéria e paralelo a isso, conhecer a dor das personagens que a autora Nara Tosta nos apresenta, por meio de "Maria Isabel & Soraia". No final, com certeza, vocês saberão como conduzir e decidir o novo caminho.

O livro é uma bela obra de arte, tanto no aspecto literário, bem escrito; como no aspecto da arte, todo bem trabalhado, com delicadeza na fonte, diagramação; e, claro!, também, na escolha do tema, muito forte, intenso e delicado.

“Às vezes a vida toma um rumo diferente do que sonhamos, e achamos que seremos infelizes, ou que não temos sorte, ou simplesmente que a vida não nos dá a oportunidade da felicidade. Entretanto, surpresas acontecem!”. p.170

O livro é dividido em 2 contos. O primeiro narra a história de Maria Isabel; o segundo narra a história de Soraia. Os dois têm tema musical como pano de fundo ou como inspiração para o enredo.

Maria Isabel é um conto narrado em terceira pessoa, com os diálogos subconsciente, isso pode deixar o leitor confuso, causando, uma leve impressão, de às vezes, ser leitura em primeira pessoa.

Maria passa por um momento delicado no casamento. Um desgaste causando grandes reflexões internas, diálogos com o subconsciente, levando para um comportamento ilegítimo que uma sociedade extremista podem condená-la.

“[...] Deixou o pranto lavar sua alma sentada no carro, olhando o vazio a sua volta, até reagir, como sempre fazia. Respirou fundo, procurando o equilíbrio para continuar. Saiu com o carro lentamente, pensando nas palavras do marido e refletindo na ameaça de ter um caso. Era a primeira vez que pensava nisso, sem arrependimento [...]”
p. 17

Porém, este é o triunfo da escrita de Nara, fazer o leitor refletir e não julgar o erro das suas personagens. Às vezes a falha do ser humano é impulsivo, de dor e não de caráter ou dueto de personalidade.

“Adorei fazer parte de sua primeira experiência. Não se sinta culpada, a vida é assim, hoje amamos, amanhã não mais.”
p. 21

Os dois contos trabalham bem este comportamento, entretanto de formas diferentes. Os problemas são opostos e com isso, propõe uma dinâmica de compreensão peculiar, em seguida, deixa o leitor ponderando os exageros no comportamento de cada personagem.

Maria Isabel é submissa e Soraia é independente, ambas com um grande problema nos relacionamentos amorosos. Realçando, assim, que a vida é um conjunto de equilíbrio e não de extremismo.

A Nara tem uma narrativa leve, fluída, em terceira pessoa ou melhor, onisciente seletiva, onde, tanto Soraia e Maria Isabel tem acesso e expõe seus pensamentos e emoções, ao mesmo tempo, que a autora compartilha a experiência de cada protagonista.

A Soraia passa por um dor repentina, de perda, desmoronando todo seu comportamento, sua personalidade. Aos poucos, no decorrer deste luto iremos conhecer o passado da personagem e perceber que a dor é uma consequência de feridas anteriores. Uma anulação do seu ser, em respeito aos pais.

“Sua alma buscava o sentido da vida. Sentia ter sido arrancada, usurpada de toda e qualquer possibilidade de encarar o seu dia a dia como algo imprescindível e precioso. Olhava as pessoas, as coisas, sem entender o que fazia naquele mundo onde o ir e vir era o combustível da felicidade [...]” p. 86

É um conto extremamente forte, dolorido; o leitor sofre junto e às vezes tem vontade de sacudir Soraia, mas existe a linha da compreensão bem trabalhada pela autora. Os filhos e sua irmã, personagens importantes, têm um zelo e  percebem que precisam apreender o luto da mãe e não julgá-la; assim, é neste ponto, que Soraia começa a reconhecer que precisa de ajuda.

“ E agora? Está feliz por me ver deprimida, sem vontade de viver? [...]” p.88

Nara propõe com este dois contos que o leitor faça uma análise menos crítica e dogmática e tenham mais compaixão com o ser. Mesmo, que, este sejam comportamentos errantes.

Foi uma leitura admirável das irmãs; fazendo valorizar a literatura contemporânea e concluir que: os clássicos são importantes para estudos literários e conhecimentos históricos; todavia, não menos importante e muito mais prazeroso é o leitor conhecer obras de autores atuais, principalmente se querem criar o hábito da leitura, pois são sim obras bem escrita, com leveza na narrativa, com temas fortes para serem refletidos.  Fica a dica de conhecer o trabalhos autorais de “Mulheres em Cena”. 

Site - Clique Aqui



                                                                                      BY:


Um comentário:

  1. Oi Paty, primeira coisa que amei, foi a capa. Adorei saber que conta a vida de duas mulheres diferentes mas tão parecidas com todas nós. Enfim, adorei! Se algum dia eu tiver a oportunidade, quero ler.
    Ah, e tuas resenha e opinião, como sempre, invejáveis e impecáveis.
    Bjos
    Vivi
    http://duaslivreiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir


© BOLG DA MARY - 2015-2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: MARY DESGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo