The VVitch - As Bruxas - Robert Eggers - Tom Matias (FILME)




Direção: Robert Eggers
Ano: 2015
Gênero: Terror/Mistério


Estamos no século XVII agora.

Sim, onde já se espera que se alguém ganha o título de “Bruxa”, seu futuro lhe reserva julgamento, tortura, uma forca ou fogueira. #QueimeAsBruxas


Robert Eggers nos apresenta uma família em meio a um julgamento por heresia. Cenários de madeira, pessoas horrorizadas, chapéus estranhos, tochas e ancinhos compõe a cena de exílio de William, Katherine e seus quatro filhos Thomasin, Caleb e os gêmeos Mercy e Jonas. 

Alguns meses depois, já instalados em um pedacinho de terra junto a uma floresta, Katherine dá à luz a mais um menino, Samuel. Em um belo dia, Thomasin brinca com Samuel na floresta onde reside “A Bruxa”, que sequestra o bebezinho e usa seu sangue e gordura em seu corpo como se fosse uma espécie de pomada para que ela possa voar. #Cena Chocante. 


Entre acontecimentos estranhos com a colheita, a falta de caça e as mentiras familiares, surge o a grande “?” do longa, Black Philip, um bode negro que vive junto aos gêmeos.

Se espera cenas do tipo “Salem”, “A Bruxa de Blair” entre outros, não é bem por aí. Ele foi classificado como “Terror Art.” e, apesar de algumas cenas explicitas de morte, à primeira vista é um filme leve em comparação a outros. O foco de Robert em A Bruxa foi transmitir o terror imaginário, você assiste e, gostando ou não do enredo, sua imaginação vai longe pensando o “onde? Como? Porquê? O que aconteceu? Vai ter o dois ne? ”

O foco sutil no bode Black Philip até o momento em que ele se revela como o todo poderoso chega a ser um pouco tedioso. Quando se fala em terror, é obvio que esperamos uns sustos, rituais macabros, ossinhos pendurados e crianças em jaulas, e mesmo com a cena da morte de Samuel ser bem chocante por se tratar de um bebezinho, logo ela desaparece em cena, já que o decorrer do longa deixa pontas e mais pontas soltas.




#SpoillerFinal

Por fim, não se sabe o que aconteceu com Caleb no seu encontro com A Bruxa, onde os gêmeos foram parar, o bode faz bom uso do seu chifre e Thomasin aceita receber Satã em seu corpo, já que so restou ela e o bode na fazenda, se não pode vence-lo, junte-se a ele ne?
Black Philip e Thomasin seguem em direção a floresta, onde encontram o clã em volta de uma fogueira numa cena tosca e assustadora de levitação demoníaca.
Thomasin entra na onda.
Fim.
Acabou aí...

***

Em relação as críticas, os especialistas saíram satisfeitos com o filme, o colocando no mesmo patamar que O Exorcista e O Bebe de Rosemary. Ganhou uma nota de 7,8/10 o que contradiz com os telespectadores, já que o acusam de uma certa propaganda enganosa, já que fora prometido um filme aterrorizante.

Desde o primeiro trailer/pôster, eu me interessei em assistir A Bruxa. Sou fascinado pelas histórias, contos e queimação de bruxas. De primeira deu para entender a parte artística do longa. Sim, é bacana, é cruel, é satanista e, para quem tem muito pavor no oculto, pode ir rezar uma ave maria depois de assistir. Mesmo com belas e assustadoras paisagens diurnas e noturnas, a parte da história ficou meio pombo sabe, gostei muito não. Mesmo sem os clássicos sustos e mais foco na bruxaria que eu esperava ver, no mínimo gostaria que os fios soltos durante o filme fossem atados no final, até agora estou perguntando “era só isso? ”
Se aprecia cultos e quer conhecer um pouco mais sobre o lado “S” das bruxas, recomendo que assista... Caso queria aquele filminho para abraçar o parceiro (a) no medo, assista outra coisa. Recomento vários filmes aqui no blog. Haha

Nota pessoal: 2,5

Uma curiosidade que achei mega estranho e excitante: O nome da atriz que faz A Bruxa é Bathsheba, que por sinal, é o nome da bruxa de Invocação do Mal... Coincidência? Talvez.. Deixo no ar... :D

Tom Matias


Nenhum comentário:

Postar um comentário


© BOLG DA MARY - 2015-2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: MARY DESGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo