Uma história de amor clichê: Eu e você. TMartins


Tento disfarçar, mas acho que todos reparam nos meus olhos que te comem nesse eterno flerte solitário; reconheço cada gesto, traço, mania. Reconheço inclusive a sua total incapacidade de aceitar que finalmente encontrou alguém. Perde-se muito tempo nessas historinhas de outrora, assim vai acabar perdendo mais uma vez. No fundo, bem lá no fundo, sou uma sertaneja literária. Escrevo minhas frustrações, devido minha falta de coordenação motora. Mas se pudesse transformaria você em um verso, seria meu mais belo acorde, “A estória de amor que deu certo”, cantaria no seu ouvido o tipo de coisa que não se diz por aí com medo de se machucar. O problema é que teu coração é feito deserto: numa hora quente, noutra fria e nessa incerteza prefiro nunca arriscar. Só queria ter certeza se tento mais um pouco, ou se sigo em frente. Já estou farta de me fazer mulher frigida cruel e esquizofrênica.

Você é brisa que insiste em sempre voltar, confundindo minha cabeça com suas insinuações. Quando se estar apaixonada o que era pouco se torna suficiente e qualquer resquício de atenção transborda; Confesso que sigo suas redes sociais, fico horas olhando suas fotos, faço das tripas coração para não puxar assunto quando você fica online. Os céticos podem dizer “Tudo isso são migalhas” Eu sei. O difícil é controlar meus pensamentos, meus desejos, minha vontade de ser tua. Não tenho motivo pra esconder, mas ainda assim, nego e renego esse papel de Frieda Kahlo. Não vou maldizer o pouco que tivemos tão menos fingir que as coisas andam fáceis sem você. Ainda assim, não vou ficar aqui esperando um sinal, essa será só mais uma história e no amor tem dessas coisas um lado sempre sente mais... 

E eu, sinto muito!

Sabe, queria entender as ideias que passam na sua cabeça. Veja bem, ta na cara que também sente alguma coisa, todos os nossos amigos já comentam por aí, desconfio que queira tanto quanto eu, por isso costumo alimentar a esperança de ainda fazer parte dos seus pensamentos, até mesmo os maliciosos, aqueles que são impossíveis de segurar o sorriso descarado de quem guarda um segredo. A nossa história poderia ter outro desfecho ser mais simples, serena. Pois esses joguinhos de adolescentes me cansam. Já sei o que quero e quando quero. Caso não saiba, que fique definitivamente claro. Quero você. Agora!
A pilha velha de papel vou guardar pra quando a saudade bater eu possa ler algum trecho que nunca tive coragem de te enviar revelando meus sentimentos, minhas injurias, meus desabafos, a nossa história de amor clichê. No fim ficarei bem com minhas manias, os óculos sempre borrados de rímel e o ar de poeta decadente utilizando o café como pretexto para esquentar a alma.  Não tenho certeza, mas quero que saiba: adoro o seu sorriso tímido e detesto o seu jeito esnobe de me tratar! Ah, e vice-versa.


TMartins

Nenhum comentário:

Postar um comentário


© BOLG DA MARY - 2015-2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: MARY DESGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo