Entrevista com Raiza varella


Clica na foto e entra no site da escritora

"Nunca desista, um dia o destino sorri para você. Apenas acredite no seu potencial."


Antes de conhecê-la como escritora, o blog Leituras Plus gostaria de conhecer inicialmente como leitora. Com que idade iniciou seu amor por leitura? E qual livro foi o maior incentivador dessa jornada?

Não me lembro bem qual era a idade, eu tinha na faixa de uns 12 ou 13 anos quando entrei em uma livraria para passar o tempo e acabei apaixonada pela capa de um livro (unicamente por ela era rosa rs). Acabei pedindo o livro ao meu pai e ele comprou. Demorei a história com mais de 500 páginas em poucos dias e acabei viciada em todas as emoções que senti com o prazer da leitura. Desde então eu vivo buscando livros que me façam sentir todas elas, as vezes eu encontro, outras vezes não, mas não paro de procurar.
O livro era o “Casório” da Marian Keyes.

Qual seu gosto literário? E qual tipo de leitura você não aprecia?

Eu não gosto ler autoajuda, já sou maluca o suficiente por mim mesma, também não gosto de livros motivacionais, já sou super motivada. Não costumo ler livros sobre religião (de qualquer tipo) e também não sou fã de romances de época. Tenho um sério problema com livros que usam a narrativa coloquial, me dão preguiça, os acho cansativos. Então nem os vestidos bonitos e os bailes de galã me fazer procurar por esse tipo de história, salvo algumas exceções.


   Qual livro você contempla a leitura infinita vezes e emociona toda a vez ?

São muitos. Tenho o hábito de reler diversas vezes meus livros preferidos. Mas tenho um certo apresso pelo “Antes que eu vá” da Lauren Oliver. Sempre, todas as vezes, choro no final!

Algum livro você apreciou a leitura empolgada e decepcionou?

Vários. Livros são caixas de surpresas. Existem sinopses que nos enganam ou simplesmente livros que degringolam durante a narrativa. Outros têm um grande apresso na mídia fazendo com que muitas expectativas se envolvam para depois chegar a decepção durante a leitura. “A culpa é das estrelas” foi uma grande decepção para mim. Por tudo que eu ouvi achei que eu amaria o livro, mas nem de longe ele me agradou.



Já chegou a abandonar alguma leitura?

Sim algumas, embora odeie abandonar um livro, mesmo que eu não goste do mesmo. Um exemplo foi o livro “Morro dos ventos uivantes”, li muitas críticas positivas e decidi ler, não passei da metade.


Dos novos escritores da atualidade, e dos consagrados qual você apreciou a leitura e tornou-se inesquecível? 

Tem autores que eu “sigo”, ou seja, compro tudo e qualquer coisa que eles lançam. Elisabeth Haynes é uma delas. Amei seu primeiro livro “No escuro”, então sempre que um novo livro dela é lançado eu compro ainda na pré venda (embora não tenha gostado de nenhum dos dois predecessores, não desisto dela). Outras são Sophie Kinsella e Sarah Manson, ambas autoras de chick-lit. Quanto a literatura nacional gosto muitos dos livros da autora Carina Rissi, então também costumo sempre apostar neles.

Conhecendo um pouco da sua carreira e sobre Raiza



Você escreveu a sua primeira história com que idade? Você lembra? O que levou você a começar a escrever? Quando esse amor por escrita surgiu? Contaeessa experiência.

Não, não me lembro a idade. Sempre gostei de escrever, mas nunca terminei um projeto. Essa sempre foi minha maior dificuldade, me concentrar seriamente em um projeto. Mas eu sempre amei ler e sempre tive o sonho de ler algo escrito por mim mesma. Chegou uma época em que eu estava em casa sem trabalho, apenas estudando e acabei com muito tempo livre, daí veio novamente a ideia de escrever um livro (ideia velha que eu nunca realmente consegui realizar), até colocar o último ponto final eu ainda acreditava que ia abandonar o projeto e simplesmente deixar pra lá como os outros. Mas com muito apoio e incentivo da família e dos amigos me obriguei a ser focada e terminar o que me propus a começar.

 Qual foi seu primeiro texto escrito, publicado?

O garoto dos olhos azuis foi o primeiro e único, por enquanto.



Qual a maior dificuldade você encontrou para escrever o primeiro livro?

Não encontrei dificuldade para escrever, encontrei apenas dificuldade em deixar de ser preguiçosa e realmente começar o trabalho. Depois de começado simplesmente fluiu.

Quanto tempo você demora em escrever um livro?

Depende do livro e do meu tempo livre para escrever. “O garoto dos olhos azuis” foi escrito em quinze dias. O segundo livro em quatro meses e o terceiro em vinte e sete dias (sim eu conto rs).

Você tem uma rotina para escrever? Sendo, contos, romances ou não ficção. Se sim, qual?

Rotina não, mas tenho manias. Só consigo escrever no silêncio (de vozes, não chego a me importar com músicas, na verdade elas me inspiram), então espero todo mundo ir dormir para começar a escrever. Não sai uma palavra com som de fundo (marido jogando vídeo game, cachorro latindo, filho resmungando, vizinho brigando e por aí vai rs). Me sento em um lugar da casa tranquilo e o confortável com um bom copo de coca cola (vício eterno) do lado e me entrego as minhas histórias.

1   Como é a rotina de compor os personagens? Você observa suas amizades? Tem um pouco de você?

Não, nenhum dos meus personagens é baseado em alguém presente na minha vida. Todos são únicos e tem suas próprias qualidades e defeitos. Mas sim, eles tem um pouco de mim. Cada um deles.
A rotina para cria-los é simples, planilha. Adoro uma boa planilha. Sempre listo todas as características que eu acho que eles devam ter antes de começar qualquer projeto. Para criar uma história preciso conhecer primeiro as pessoas que vão viver dentro dela.

Você é formada em Direito. Exerce a profissão? Paralela a profissão de escritor você tem outra fonte de renda?

Sim, sou formada, mas no momento não exerço a profissão. Eu decidi que antes de me entregar a uma carreira eu queria realizar dois sonhos: Ser mãe e ser escritora, ambos em tempo integral. Então hoje meu trabalho é ser mãe do Lucca e do Garoto dos olhos azuis.

O leitor é a peça primordial para o sucesso de um escritor. Como você cultiva a relações com seus leitores? Você procura saber dos resultados das leituras dos seus livros? Troca ideias sobre assuntos como: personagens ou cenas?

Sempre, sou completamente aberta a qualquer leitor que me procure. Faço questão de sempre responder a e-mails ou mensagens deixadas no Facebook e Instagram, afinal sem eles para que escrever não é?! Os livros são todos para eles.
Sim, eu também procuro saber do resultado das leituras, sempre procuro por novas resenhas e acompanho a página do livro no Skoob, acho interessante saber como cada um lida com a minha história. Suas considerações e críticas, tanto positivas quanto negativas sempre são absorvidas com bom humor e aceitação.


Como você recebe as críticas das suas obras?

Bem, muito bem. Todo escritor sabe que seus livros não vão agradar a todos (nem Jesus agradou, não é?).

Você é Paulista mora no maior centro urbano onde a literatura acontece. Você acha que isso facilita seu trabalho? Ou ainda encontra dificuldades?

Não facilita e nem dificulta, na minha opinião. Acho que hoje em dia as redes sociais fazem a maior parte do trabalho, então a Cidade não faz tanta diferença.

Você acaba de ser mãe, como você analisa o mundo da literatura infantil? Tem esperança que seu filho desenvolva o amor pela leitura?

Não sei dizer porque até então nunca comprei livros infantis e acho que ainda vai demorar algum tempo até que ele tenha idade para entender, mas sim, claro, escritora e uma boa leitora eu ficaria feliz se ele seguisse por esse caminho e tivesse a leitura como hábito.

Como está sua vida na nova rotina de mãe? Está com tempo para novas aventuras e leituras literárias? Conta para nós essa nova experiência.

Mesmo com um bebê pequeno, terminei um livro em menos de um mês, ele é um anjo!



Sobre o mundo dos E-books. Como você avalia o cenário dos e-books no Brasil?

Os ebooks e a publicação independente tem se mostrado uma ótima opção para autores iniciantes e até mesmo os velhos de casa. Tenho visto muitas pessoas fazendo carreira no mundo do ebook e eu acho ótimo porque sou uma consumidora deles também.


Você crê que existe preconceito contra algum gênero literário no Brasil?

Não, acho que cada gênero tem seu espaço e seus próprios leitores.

Quais dicas você deixa para escritores iniciantes?
Nunca desista, um dia o destino sorri para você. Apenas acredite no seu potencial.

Quais são seus próximos projetos como escritor? Podemos esperar novidades?

São dois projetos na verdade. Caçadora de estrelas (está rolando ainda a campanha no Instagram #publiquecaçadoradeestrelas e mais um livro que está pronto, mas ainda não decidi se ele será único ou parte de uma trilogia.



Nenhum comentário:

Postar um comentário


© BOLG DA MARY - 2015-2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: MARY DESGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo