Entrevista com a escritora Patrícia Galúcio - Semana Escritor


Escritora Patrícia Galúcio

"Nascida em Santarém - PA Patrícia Galúcio graduou-se  Economia na UFPI. Depois de trabalhar por anos com finanças públicas, decidiu a iniciar a carreira como escritora em 2014, com lançamento do seu primeiro romance: Virtus, fruto do desejo que nutriu por anos de escrever um livro. Atualmente, mora com o marido os dois filhos, em Goiás"


    1.Antes de conhecê-la como escritora, o blog Leituras Plus gostaria de iniciar conhecendo você como leitora. Com qual idade iniciou seu amor pelo mundo da leitura? E qual livro foi o maior incentivador dessa jornada?

Quando eu tinha uns nove anos, minha mãe me levou a uma biblioteca pública perto de casa. Fiquei impressionada quando eu sai de lá com um livro na mão. A minha mãe me explicou que eles emprestavam para lermos e em alguns dias precisaríamos devolver. No começo ela ia comigo, mas depois de um tempo, eu já ia sozinha. Porém, não lembro o nome dos livros que li, embora possa garantir que adorava. Pra ser sincera, não teve um título que tenha sido o grande incentivador, embora tenha alguns preferidos!

     2.Qual seu gosto literário? E qual tipo de leitura você não aprecia?
Gosto dos clássicos franceses como Vitor Hugo, Júlio Verner e Gaston Leroux. Além desses gosto de comédias românticas e aventuras. Não curto muito dramas. Fico muito abalada com estórias tristes. Também, não leio livros hots, mesmo que a estória seja muito interessante ou badalada!

3.Qual livro você contempla a leitura infinita vezes e emociona toda a vez que reler?
Os Miseráveis.
  
     4. Já chegou a abandonar alguma leitura?
Vários... pra ser sincera, não tenho dificuldades de abandonar uma leitura. Se não estou gostando, não continuo mesmo... não tenho metas de nº de livros lidos.




    5. Dos novos escritores da atualidade, e dos consagrados qual você apreciou a leitura e tornou-se inesquecível?
Da atualidade acho que  Nicholas Sparks, dos clássicos, sem dúvida,  Vitor Hugo

Vitor Hugo
Nicholas Sparks














Conhecendo um pouco da sua carreira e sobre Patrícia

    6.Você escreveu a sua primeira história com que idade? Você lembra? O que levou você a começar a escrever? Quando esse amor por escrita surgiu? Conta essa experiência.

Ainda adolescente escrevi pequenas peças para serem encenas na igreja, mas nada muito sério. Com frequência acordava pela manhã e pensava nos sonhos que havia tido durante à noite. Os achava tão interessante que dizia: uau... isso daria um livro. Chegou uma época que eu comecei a anotar alguns sonhos que achei legais... então, depois escrever uma peça para a Ceia de Natal da igreja, decidi que iria colocar em ação meu antigo sonho de escrever. Na virada do ano de 2013 para 2014 decidi que colocaria no papel as minhas ideias. Deu certo. Amei escrever um texto mais longo. Achei fascinante a experiência! Decidi que é isso mesmo que quero para mim!


     7.Qual foi seu primeiro texto escrito, publicado?
Sem dúvidas foi Virtus

     8. Qual a maior dificuldade você encontrou para escrever o primeiro livro?
Tempo. Conciliar família, trabalho, atividades domésticas,  atividades voluntárias na igreja e etc., não foi fácil!

     9.Quanto tempo você demora em escrever um livro?
Bom, levei de 3 a 4 meses para finalizara a estória de Virtus. Embora, tenha demorado mais uns 6 meses ajustando, editando e revisando o texto.

   10.Você tem uma rotina para escrever? Sendo, contos, romances ou não ficção. Se sim, qual?
Até gostaria de ter uma rotina. Mas ainda tenho outras atividades que levam a maior parte do meu tempo.

    11. Como é a rotina de compor os personagens? Você observa suas amizades? Tem um pouco de você?
Não exatamente. Sou muito observadora, mas crio cada personagem de forma exclusiva. Realizo muitas pesquisas  sobre as personalidades e as profissões que idealizo. Por exemplo, para criar Paul Lewis, estudei bastante sobre tênis, os campeões mundiais, regras etc. Procuro compor as características com base  nas ideias que eu quero para o texto, e claro, não podemos negar que de certa forma, tem algo de nós em cada um deles.

     12. Paralela à profissão de escritor, você tem outra profissão como fonte de renda?
Sim, sou servidora pública.

    13.Você tem formação em economia na UFPI, trabalhou muitos anos com finanças públicas, você ainda exerce a profissão? Se não o que fez você mudar de área?
Gosto muito de finanças públicas. Por muito tempo achei que nasci para fazer isso. Talvez por que tenha começado a trabalhar na área muito cedo, ainda como estagiária no período da graduação. Depois que saímos do Piauí e fomos para Goiás fiquei um tempo dedicada só à família. Foi uma ótima experiência, mas logo eu passei em um concurso e voltei a trabalhar. Infelizmente o novo cargo não é na área de finanças públicas, apesar de gostar bastante do trabalho e do pessoal.

    14.Você acha que a sua formação em economia, ajudou de alguma forma no seu desenvolvimento como escritora?
Acho que não... talvez a minha experiência profissional tenha ajudado a compor um pouco da personagem Salma, de Virtus, sobretudo na utilização dos jargões  usados no escritório.  Mas só isso.

   15.Você encontra dificuldade de viver da literatura no Brasil? Fale um pouco das dificuldades encontrada na profissão no Brasil. Com suas experiências.
Estou começando agora. Sempre soube que o mercado literário é difícil, sobretudo em um país de não leitores! (rss...). Adoraria viver apenas da literatura, mas ainda não tenho essa pretensão, por agora... preciso escrever outros livros e ganhar um público. Ainda assim, sei que não será fácil. 


   16.Quanto a marketing e editora, qual dificuldade você encontra para lançar e divulgar seus livros e textos?
Bom, para uma autora iniciante e desconhecida como eu, não resta outra opção senão se autopublicar. Nenhuma editora conceituada pretende investir em uma desconhecida. Assinei com a Chiado Editora uma parceria. Acho que estamos indo bem, embora eu seja responsável pela maior parte da divulgação. Confesso que divulgar e vender não é o meu forte. Mas, tenho que me virar nos trinta.

    17.Quais autores são referências para o seu trabalho?
Adoro o estilo da Jane Austen e claro, Vitor Hugo.

   18.Durante esse seu caminho como escritora, cultivou relações com alguns escritores?
Não! (rsr ...) Conheço bem poucos escritores atualmente.

   19.O leitor é a peça primordial para o sucesso de um escritor. Como você cultiva a relações com seus leitores? Você procura saber dos resultados das leituras do seu livro? Troca ideias sobre assuntos como: personagens ou cenas?
De fato, o leitor é chave! Às vezes eu penso que manter um bom relacionamento com os leitores é tão importante quanto escrever uma boa estória. Sem eles, nem a melhor de todas as estórias faria sucesso. Postei alguns capítulos de Virtus no Widbook e tenho recebido ótimos comentários. Procuro responder a todos com carinho. Ainda, fiz uma página do livro e um blog. É um excelente canal de contato com os leitores, sobretudo os mais empolgados.

  
     20.Como você recebe as críticas das suas obras?
Meu ego não gosta muito, mas felizmente não tenho um ego muito inflado! (rsss...) mas fico feliz por ter recebido poucas críticas. Talvez porque ainda não tenha muitos leitores. Bom, sempre  temos o que aprender e o que melhorar. Se a critica for ajudar, ficarei muito grata.


    21. Você reside atualmente em Goiás não muito próxima dos centros Urbanos onde a literatura acontece. Você acha que isso dificulta seu trabalho?
Um pouco, mas não tanto quanto seria se fosse anos atrás, em uma época em que não haviam as redes sociais e internet. Hoje as coisas estão bem mais fáceis nesse sentido.

    22.Você é mãe, você incentiva o hábito da leitura em casa? Seus filhos têm o hábito e amor por literatura?
Sim, sou. Adoro dar livro de presente para outras crianças e presentear meus filhos com livros também. Livros são ótimos presentes. Meus filhos  sempre estão lendo algum título. Nem sempre são eles mesmo que leem. Às vezes sou eu, às vezes é a minha mãe, com quem eles ficam uma parte do dia.

    23.Como você analisa a juventude em relação a literatura atualmente no Brasil?
Tenho visto com uma boa perspectiva. Vejo um número crescente de leitores. As redes sociais têm ajudado a popularizar a leitura e versões digitais também têm ajudado.

     24.Como você avalia o cenário dos e-books no Brasil?
Próspero. Embora veja resistência por parte de muitos, sobretudo dos mais velhos, acho que em alguns anos essa será a principal ferramenta de leitura.

     25.Você crê que existe preconceito contra algum gênero literário no Brasil?
Não acho que exista preconceito contra algum gênero específico, mas sinto o preconceito contra a literatura nacional em geral. Muitos leitores dizem que não gostam de nacionais.

    26.Como você ver as feiras literárias? O que isso beneficia no mundo dos escritores?
Acho ótimo. É um canal excelente de divulgação do trabalho. Já fui em várias como leitora, agora, vou em agosto na FLIC, como escritora. Será a minha primeira feira. Talvez depois dela, possa dizer com mais confiança como um escritor pode ser beneficiado. Mas, minhas expectativas são as melhores.

     27. Hoje a febre entre o mundo da comunicação são os blogs e Vlog. Os blogs literários são cada vez mais crescentes e sempre cheios de novidades. No seu ponto de vista, como escritor, como você analisa os blogs literários?
Acho fundamental o trabalho dos blogueiros literários para unir os autores aos leitores. Eles têm feito um ótimo trabalho com suas resenhas, indicações, comentários, etc. Passei a seguir muitos deles... eles me atualizam, me ajudam a decidir uma nova leitura. Acho muito bom!

    28.Quanto aos eventos e encontros literários, como você avalia? Acha uma oportunidade dos escritores expor seus trabalhos? E dos leitores aproximarem dos escritores? E a organização compensa o esforço do escritor em fazer parte dos eventos literários.
Ainda não participei de nenhum desses eventos. O lançamento de Virtus ainda não aconteceu. Depois do lançamento, estou programando um evento desses para julho, em que vou organizar tudo. Estou torcendo para que dê certo.

     29.Quais dicas você deixa para escritores iniciantes?
Assim como eu? (rss...) bom... precisamos de perseverança e fé.

  30.Quais são seus próximos projetos como escritora? Podemos esperar novidades?

Sim, podem. Estou amando escrever um novo romance. O que posso adiantar e que ele e bem diferente de Virtus. Estou indo para o gênero ação, com uma abordagem bem atual de terrorismo, espionagem etc.  Acho que tá ficando bacana. Aguardem! 


Uau...Romance terrorismo, Leituras Plus já ficou louca para conhecer. Patrícia obrigada por participar do quando "Semana do Escritor" Leituras plus deseja sucesso total nessa sua jornada como escritora e com o livro Virtus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


© BOLG DA MARY - 2015-2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: MARY DESGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo