Vida que Segue - TMartins

                                                                                      
                                                                                    Eu sou instante!

A rotina quando mal vivida empobrece a alma deixando tudo sem cor, charme ou qualquer resquício de beleza. Nesse vai e vem sigo vendo os mesmos rostos cansados, olhares vagos e igualmente tristes. Faltam-me assuntos e nos fones ouço Janis Joplin gritar vingando o meu silêncio.  Sem perceber fui me adaptando, inserindo-me nos espaços, sendo transformada. Hoje, mais velha e mais irônica, sinto dores nas costas e calafrios só de pensar no futuro...

Se todas essas litas de “10 coisas para fazer” servissem para alguma coisa seria mais fácil, mas normalmente não escolhemos, as coisas acontecem e não a tempo de lamúrias; o capitalismo selvagem e a velocidade das relações superficiais não nos permitem uma folga pra descobrir o que realmente nos encanta... 

O que resta se não seguir a música? Nesse jogo marcado minhas apostas são de incertezas. Os sonhos de outrora mudaram, a menina que queria mudar o mundo julgando-se politizada o bastante é hoje uma jovem senhora com oito tatuagens e outros tantos arrependimentos. A viagem de moto pelo leste foi suspensa devido ao desvio na coluna. Os pores solitários, as festas vazias, os caras errados. Nada disso estava no plano original, aos quinze anos minhas escolhas pareciam tão simples. Pobre menina ingênua.

Não que eu não esteja contente com o que tenho conseguido e venho conseguindo, mas é um exercício lânguido pensar em tudo que queria e como as perspectivas mudam. O que antes era importante me parece mais um sensacionalismo hippie démodé. Essa é a magia: tive que evoluir com as circunstâncias da vida, largar e voltar pro tabaco, manter o peso, viver sem pessoas das quais nunca me imaginei longe, acordar a seis da matina para ouvir no noticiário se o dólar caiu ou não. 

É como diz a mais requintada frase filosófica “O que não mata, engorda” e assim, fui seguindo abraçando as oportunidades ao passo que me distanciava do que já fui; deixando pra trás uma parte de minha história, alguns amigos, que terão sempre um lugar especial no meu coração incapaz de demonstrar sentimentalidades, e a preocupação de ser o que jamais seria capaz. Querendo ou não a gente sempre tem que seguir em frente, a vida vai te emburrando e como contorcionistas temos que nos encaixar limitando em ser uma marionete dos acasos e desventuras da vida. Paciência, baby!


No fim é uma briga sem sentido, o presente contra o passado, por isso meu bem, nada é definitivo; amanhã tudo isso não fará sentido. O que ficou e ficará são as histórias de botequins, os amigos porras loucas e minhas aventuras amorosas que nunca deram certo. A dúvida do que virá é que motiva viver como bem quero. Arrependimentos e orgulhos serão sempre melhores que a incerteza do que poderia ter sido.  A vida é algo que segue. 

E eu? Eu sou instante e não um verbo infinitivo do presente!


TMartins

Nenhum comentário:

Postar um comentário


© BOLG DA MARY - 2015-2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: MARY DESGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo