E aí, Cê topa? - TMartins





 Ligue pra dizer que sentiu saudades, pra contar como foi o dia, falar do trabalho chato, ou que ouviu uma música e pensou em mim... Dê sinal de vida, apareça como quem não quer nada. Me Suborne com frases feitas, convide para um filme clichê na tua casa ou um final de semana só nosso. Surpreenda-me com uma orquídea e um cartão com algum poema do Pessoa. Ofereça-me uma história que eu lhe recompenso com uma vida inteira. Cê topa?

Sabe, só queria coisas simples; dias tranquilos, para noites quentes. Ter um peito para fazer abrigo e mãos que me prendam com cafuné e caricias.  Quero brigas tempestivas, exijo discussões sem sentido... Quero poder sentir o medo de te perder e depois descobrir que relacionamento tem dessas coisas, e que sou só uma idiota neurótica. Café, cerveja, comida congelada, sua camisa velha no meu corpo, meus cremes, segundas-feiras minha serie, nas quartas-feiras seu futebol. Conhecer meus amigos peculiares, comer da minha lasanha e fingir gostar.  Consegue entender onde quero chegar?  - Não se assuste o altar é terra que não quero pisar. – mas quero me lambuzar com a sobremesa da vida a dois e vez em quando ter algumas indigestões.

Não precisa roubar os anéis de saturno, ou as flores do quintal da esquina, basta uma mensagem inesperada, uma foto sem sentido. Sei lá, acho que meu coração sensível não resiste a essas trivialidades sinceras. Olhe, não posso prometer que irei sempre controlar meus ciúmes, entenda, sou menina minada e tenho meus destemperos. Mas prometo cafuné, massagens e milhões de beijinhos. Desejo que me proteja nas noites chuvosas, que durma agarradinho e nas noites de verão me cubra com seu corpo, me refresque com o teu suor, me coma sem pudor; na cama, no chão. Faça do meu corpo moradia. Arranhe-me com sua barba, deixe-me marcas. Só não quebre meu pobre coração já tão machucado.


Nego, não perca seu tempo com essas aventuras sem futuro, esqueça o passado. Não seja leviano com a oportunidade de viver um amor sereno, nem todos tem essa chance. Quero cuidar, mimar, morder; quero e quero só pra mim. Porque além de um olhar misterioso e a cara debochada sou uma irreparável romântica as antigas. Não tenho posses para lhe oferecer só um coração que insiste na vontade de viver um amor.

Ah, espero que seja capaz de apreciar meus dentes tortos e minha memória ruim.

TMartins


2 comentários:

  1. Muito bom o texto. Simplesmente adorei. Parabéns!!!

    obrasdeumjovemescritor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vinicius, que bom que está gostando. Essas minhas colunistas são gêmeas top. abraços.

      Excluir


© BOLG DA MARY - 2015-2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: MARY DESGN.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo